sexta-feira, 18 de agosto de 2017

JOÃO DA MATTA, MAESTRO E COMPOSITOR SÃO-JOANENSE


Por Francisco José dos Santos Braga



O presidente da Academia de Letras de São João del-Rei, João Bosco de Castro Teixeira, tendo lido meu trabalho intitulado “Festa de São Sebastião em S. João d’El-Rey em 1919”, publicado em 30/06/2017, diante dos rasgados elogios ali constantes que o poeta Bento Ernesto Júnior fez ao músico são-joanense João da Matta, escreveu-me o seguinte comentário : “Francisco, li a matéria toda. Como aprecio tais trabalhos, senti falta de algo, sobre o que aliás tenho pouco a falar. Aluízio Viegas dizia ter quase certeza de que um registro de batismo, – que se encontra em nossa Catedral, e que contém uma lacuna, – seria, com muita probabilidade, o registro do batismo de João da Matta. Você nunca ouviu nada a respeito? No mais, um abraço com todo louvor. João Bosco



Respondi-lhe que lamentavelmente Aluízio José Viegas não tinha tratado disso comigo e que esse trabalho de pesquisa do grande historiador sacro e musicólogo são-joanense estaria perdido, caso ele próprio não tivesse registrado seu achado em algum artigo ou em alguma anotação de seu próprio punho.



Não satisfeito, o presidente telefonou-me alguns dias depois solicitando que eu trouxesse ao conhecimento deste plenário, através de pesquisa, se Aluízio tinha descoberto o assento do batizado de João da Matta. Sua preocupação tinha razão de ser, porque mais de uma cidade disputam a glória de ser a terra natal do músico. Neste particular, é conhecida a disputa entre Lavras e Oliveira de ser o pretenso berço de João da Matta, pela simples razão de ele ter passado parte de sua vida e produzido belas composições nessas localidades. Aceitei o convite de falar sobre “João da Matta – sua vida e sua obra” como um desafio, disposto a fazer o resgate do achado de Aluízio José Viegas – se é que existisse nos livros de batizados do Arquivo Paroquial da Catedral Basílica de Nossa Senhora do Pilar, de São João del-Rei, que trouxesse elementos razoáveis  sobre a naturalidade são-joanense de João da Matta, sua ascendência e data mais provável de seu nascimento.
João Francisco da Matta (foto restaurada pelo historiador Silvério Parada em 2009) a pedido de Aluízio Viegas

É conhecido que João Francisco da Matta aprendeu música com Martiniano Ribeiro Bastos, em sua escola na Rua da Prata. Negro e pobre, foi, no entanto, um compositor prolixo, deixando em várias cidades mineiras composições em cópias originais. Desempenhou, paralelamente à música, a atividade de tropeiro, o que lhe permitiu peregrinar pelos sertões de Minas Gerais, onde espalhou sua música. Tendo palmilhado muitas terras como tropeiro, adquiriu o hábito da boemia e da embriaguez. Consta que tocava todos os instrumentos de sopro que possuem 3 chaves ou válvulas (tendo sido virtuose no oficleide) e alguns de corda, além de pianista, tendo se apresentado em concertos em todo o Oeste e Sul de Minas, atuando também como insigne professor de música, hábil afinador de pianos e compositor ativo e fértil, com forte influência da ópera italiana, como a maioria dos seus contemporâneos. As suas proezas nas várias localidades que visitou (entre as já conhecidas, pode-se citar as de Oliveira, Lavras, Juiz de Fora, distrito de Aventureiro pertencente à Vila Mar de Hespanha e distrito de Serranos do município de Aiuruoca) acabaram por transformarem-no em lenda viva, projetando o nome de sua cidade natal por todo o Sul e Oeste de Minas Gerais e principalmente na corte. Em São João del-Rei, há várias evidências fotográficas e outras, dando conta de que integrou a Orquestra Lira Sanjoanense. Lourdes, irmã de Aluízio, garantiu-me que o busto de João da Matta, existente hoje na sede da Lira Sanjoanense, foi localizado no barracão da Prefeitura pelo regente Dr. Pedro de Souza, que o resgatou para a corporação musical são-joanense onde João da Matta atuou enquanto vivo.
Busto do ilustre músico são-joanense João Francisco da Matta, existente na sede da Orquestra Lira Sanjoanense, em São João del-Rei

Foto reconstituída pelo historiador Silvério Parada a pedido de Aluízio José Viegas, o qual identificou alguns componentes da Orquestra Lira Sanjoanense em Juiz de Fora em fins do século XIX























O escritor e poeta Bento Ernesto Júnior, membro da Academia Mineira de Letras, exímio musicista que tocava harmônio nas igrejas locais e nele executava peças de compositores sanjoanenses, principalmente nas festas de N. Srª da Conceição, das Mercês e do Mês de Maria, publicou no periódico “A Tribuna”, em edição especial de 40 páginas, o artigo “A Música em São João del-Rei”. É desse trabalho que é extraído o trecho sobre João da Mata:
“(...) João da Mata é uma figura singularíssima nos reinos de Euterpe.  Queda-se profundamente surpreso iniciado nos mistérios da arte encantadora, em ouvindo as composições que emanaram de sua inspiração de escol, verdadeiramente portentosa, admiravelmente original. Que emoção avassaladora não causam os trechos que ele traçou, despreocupadamente, indiferente, de todo, aos aplausos das multidões, trechos que são o reflexo nítido de uma alma lírica aninhada em arcabouço tão em contraste com a beleza, a radiosidade, a graça e a correção que a musa de João da Mata sabia imprimir ao seus estupendos trabalhos.
O pobre negro, em a noite de sua desgraça, teve um farto raio de luz a iluminar-se a personalidade humilde na grande admiração que por toda parte se lhe dedicava e a consagração invulgar da mais rutilante glória da música brasileira – o grande, o imortal Carlos Gomes, que proclamou João da Mata uma das mais admiráveis organizações musicais, que lhe fora dado conhecer. (...)”. (JÚNIOR, Bento Ernesto: A Música em São João del-Rei, jornal A TRIBUNA, edição nº 1268, apud CINTRA: “Maestro e Compositor João da Mata – Glória da cultura musical sanjoanense”, jornal TRIBUNA SANJOANENSE, Ano XXVII, nº 824, p. 2). 

Preliminarmente, cabe aqui fazer a seguinte afirmação: o historiador, quem quer que seja, tem que considerar digna de fé a declaração do próprio interessado, no caso, de João da Matta, afirmando ser são-joanense, conforme fez publicar em anúncio estampado na edição de 26 de setembro, reiterado nas edições de 3, 17 e 24 de outubro de 1889 do jornal A Pátria Mineira, verbis:

Musicas à venda
"Tendo de demorar-me nesta cidade de 8 a 15 dias, partecipo aos meus amigos e apologistas que trago em rascunho excellentes quadrilhas a 5.000 rs. a collecção; marchas a 4.000 rs. cada uma; dobrados a 5.000 rs., polkas a 2.000 rs., walsas a 2.000 rs. e modinhas a 1.000 rs. cada uma; Hymno da Princeza ou 2º Hymno Nacional, 10.000 rs.; Hymno do Tiradentes, 10.000 rs.
Espero que os meus bons conterraneos me favoreçam, comprando-me algumas musicas, visto ser o seu producto para auxiliar a minha viagem à côrte, onde vou publicar uma artinha musical e diversas composições minhas.
Quem dignar-se auxiliar-me pode deixar o seu recado no escriptorio desta folha.
S. João del Rey, 24 de Setembro de 1889.
JOÃO FRANCISCO DA MATTA"

Seis anos antes,  em 1883, assim noticiava o jornal Arauto de Minas a presença do famoso musicista passando por sua cidade natal, na sua edição de 11 de outubro de 1833, de acordo com (CINTRA, 1982, 429): 
“Acha-se nesta cidade, de passagem para Mar de Hespanha, onde pretende dar alguns concertos, o nosso inteligente conterrâneo, João Francisco da Mata, insigne professor de música e hábil afinador de piano. O nosso maestro, retirando-se da Cidade de Oliveira, trouxe honrosos atestados de autoridades e pessoas altamente colocadas, asseverando ter sido irrepreensível o seu procedimento naquele lugar.” 
Pacificada essa questão da naturalidade, Aluízio José Viegas julgava importante ainda conseguir indicações de sua ascendência e de sua data de nascimento. 

(COELHO, 2011, 140-1) descreve como Aluízio José Viegas esclareceu racionalmente a questão da ascendência e da data de nascimento do maestro e compositor João da Matta, através do seu batistério: 
"Para chegar aos dados sobre o nascimento de João da Matta, procuramos o Arquivo Diocesano da Paróquia de Nossa Senhora do Pilar em São João del-Rei na pessoa de Aluízio Viegas. Sabíamos que ele era negro, natural de São João del-Rei, mas não havia qualquer indicação de sua ascendência, nem de sua data de nascimento. O que é certo é que ele havia morrido em Serranos, município de Aiuruoca, no dia 4 de junho de 1909. Uma outra dificuldade: o sobrenome 'da Matta' não era muito comum para famílias são-joanenses do século XIX. Viegas procurou, então, o dia em que era comemorado 'São João da Mata', uma vez que batizar o filho com o nome do santo do dia era uma prática comum. Identificado o dia do santo, 8 de fevereiro, a partir daí a tarefa passou a ser localizar alguma criança negra de nome João que tivesse sido batizada alguns dias ou semanas após essa data cerca de 65 a 75 anos aproximadamente, antes da sua morte em 1909. Ou seja, procurar inicialmente batizandos de nome João no mês de fevereiro na década de 1840. Um dos registros encontrados foi o seguinte *:  
João – innocente – crioulo – escravo – Aos vinte e quatro dias do mez de Março de mil oitocentos e quarenta e quatro nesta Igreja Matriz de N. S. do Pilar da Cidade de São João d’El Rei, o Reverendo Coadjutor Bernardino de Souza Caldas baptisou solemnemente e pos os Santos Oleos a João, innocente, crioulo, filho natural de Maria Africana, escrava de D. Anna Narciza de Jesus, nascido a oito de Fevereiro do mesmo anno. Foi Padrinho José Pedro Guimarães, solteiro, todos desta Freguesia. E para constar mandei fazer este assentamento que assignei. Era ut supra.
O Vig.° Luiz José Dias Custódio 

* Conforme Livro de Batizados nº 5 (1843-1854), fl. 46.
A probabilidade é alta de ser esse o registro do batismo de João da Matta, visto que a data do nascimento é a mesma do dia de 'São João da Mata' e ser esse o único registro de uma criança negra, de nome João, que poderia ter uma idade presumida de aproximadamente 70 anos ao morrer em 1909. No caso, se esse registro for o dele realmente, João da Mata teria 65 anos quando faleceu. Aceitando-se a hipótese que ele poderia ter vivido um pouco mais, encontramoso registro de um menino de nome João, filho do casal de forros João Mata Nogueira e Antônia Maria Sampaio, batizado em 28 de maio de 1832. O nome do pai da criança reforça a suspeita de ser este o registro de batismo de João da Mata. * A idade dele, ao falecer, seria de 77 anos aproximadamente. 
Aos vinte oito de Maio de mil oito centos e trinta e dois nesta Matriz de Nossa Senhora do Pillar da Villa de São João de El Rey o Reverendo Coadjutor Joaquim Joze de Souza Lira baptisou e pos os Santos Oleos a João filho legitimo de João de Mata e Antonia Maria de São Pio sendo os padrinhos Manoel Joze da Costa Machado, e Joanna Maria Joze Albuquerque Cornelos todos desta Freguezia.
O Vig.° Luiz José Dias Custódio 

* Conforme Livro de Batizados de 1819-1837, fl. 311v.
Os dois registros têm chance de serem o verdadeiro batistério do maestro são-joanense. O fato de o primeiro mostrar que ele poderia ter nascido escravo não descarta a hipótese de ter sido alforriado ainda criança, haja vista que ele recebeu algum tipo de educação formal além da educação musical propriamente dita. Sua caligrafia nas peças originais, ainda conservadas nos arquivos das orquestras, demonstra isso.

O prefeito Basílio de Magalhães, chefe do Executivo Municipal, ao aprovar a Lei nº 436, de 26/02/1925, decidiu renomear a rua Progresso no bairro do Bonfim, com a nova denominação de João da Matta, em honra ao ilustre maestro e compositor, que lecionou e se apresentou profissionalmente em concertos na corte e por todo o Oeste e Sul de Minas,  projetando com o seu talento artístico o nome de São João del-Rei.


OBRAS SACRAS DE JOÃO FRANCISCO DA MATTA



Tota pulchra es Maria – antífona

Missa Stella Maris

Missa São Sebastião

Missa de Santa Cecília

Missa Assunção de Maria

Missa da Sacra Família

Missa “La Speranza”

Missa Nossa Senhora de Lourdes

Veni e Domine da Sacra Família

Veni e Domine para a Novena de Nossa Senhora do Carmo

Sub tuum præsidium – antífona

Hino à Santíssima Trindade

Hino à Santíssima Virgem – Tota pulchra (em si bemol)

Ave Regina Cælorum

Ave Maria

Hino de Santa Teresa de Jesus

Stabat Mater nº 1 em si bemol (executada na Sexta-feira Santa na Solene Ação Litúrgica durante a Adoração da Cruz, em nossa cidade)
Stabat Mater nº 2
Vidit suum

Te Deum nº 1

Te Deum de Santa Efigênia

Te Deum “Rosa de Ouro”

Tantum Ergo

Ecce Sacerdos Magnus

Semeorum – antífona

O Sacrum Convivium

Ave Maris Stella – antífona

Quem terra pontus – solo ao pregador

Regina Mundi – antífona

Benedictus – alternado – a cappella
Marcha Fúnebre conhecida por "João da Matta" (executada na Quarta-feira Santa, após a visitação aos "passinhos" e ao término da Procissão das Dores, no interior da Matriz de Nossa Senhora da Conceição, em Prados; também na Procissão do Enterro)
Marcha de Sant'Anna

MÚSICAS PROFANAS COMPOSTA POR JOÃO DA MATTA

Tango das Moças (impressa em Juiz de Fora, na tipografia dos Drs. Leite Ribeiro & Cia.)
Marcha Fúnebre (RJ/Narciso & Arthur Napoleão/1870)
Minh'Alma é Triste (poesia de Casimiro de Abreu musicada)
Os Monarchas (quadrilhas para banda)
Miragem! (marcha festiva)
Canção dos cantos miridionaes (poesia de Fagundes Varella musicada)
Romance do moço loiro (poesia de Joaquim Manuel de Macedo musicada)

SUGESTÃO PARA AUDIÇÃO DE OBRAS DO MAESTRO JOÃO DA MATTA NO YOUTUBED

1) Marcha Fúnebre "João da Matta"
https://youtu.be/0PhpWXmcM84

2) Tota Pulchra es Maria
https://youtu.be/WqZwrraT7Vk 

3) Stabat Mater em si bemol 
https://youtu.be/OWjZUHMjaag



BIBLIOGRAFIA 



JÚNIOR, Bento Ernesto: A Música em São João del-Rei, jornal A TRIBUNA, edição nº 1268

CINTRA, Sebastião de Oliveira: Efemérides de São João del-Rei, Belo Horizonte: Imprensa Oficial de Minas Gerais, 1982, 2 vol., 622 p. 

Idem: Maestro e Compositor João da Mata – Glória da cultura musical sanjoanense, jornal TRIBUNA SANJOANENSE, Ano XXVII, nº 824, p. 2 

COELHO, Eduardo Lara: 
-->Coalhadas e rapaduras: estratégias de inserção social e sociabilidades de músicos negros – São João del-Rei, século XIX, disponibilizado na Internet in
-->

Jornal Pérolas do Samba, São João del-Rei, Ano 0, edição nº 6, de dezembro de 2008, p. 8

NETO, J.R., SACRAMENTO, J.A.A. & RAMALHO, O.A.: Pátria Mineira, site sobre a história de São João del-Rei. http://www.patriamineira.com.br/arquivos.php Acesso em 16/08/2017.